Mais um Gole

Um conjunto de sentimentos soltos traduzidos em palavras.


Coisas do acaso

Mais uma noite fria na cidade de São Paulo. Mesmo com frio, sai, afinal era sexta-feira e quera me divertir. Esquenta com os amigos em casa, jogando conversa fora enquanto a garrafa não acaba. Depois de duas horas e todo mundo já falando groselha meio bêbado começa a aventura. mais alguns instantes até a balada e muita diversão, música alta, piadas, tudo que tínhamos direito.

Eram uma da manhã e eu já estava bem alegre, as luzes fortes da pista me confundiam, as vezes eu enxergava tudo e as vezes nada. Nunca tinha ido aquela boate, e em cinco minutos tudo me agradou, o espaço, a disposição dos ambientes, não tinha fila no bar, o fumódromo grande e aberto, consegui fumar sem ninguém pisar no meu pé ou me derrubar em cima de alguma mulher. Encontramos o resto da galera e fomos ao camarote. Sofá confortável na lateral da pista em um local elevado, de lá de cima eu consegui ver toda a pista e o palco. Depois de algumas horas e mais uma garrafa de whisky e todos estavam alucinados. Já eram três da manhã e eu aguardava ansioso para o show do skazi, um dos melhores djs na minha opinião. Já admirava seu trabalha a alguns anos e nunca tinha visto sua performance pessoalmente. 

Algumas vezes notei meus amigos conversando com um grupo de garotas. Um pouco antes do Skazi entrar em cena um dos meus amigos veio até mim e disse que tinha uma garota querendo me conhecer. Aceitei, demos uma volta pela pista e nada, deixei ele falando sozinho e fui curtir o show. Depois de um tempo lá vem ele de novo com o mesmo papo, comecei a suspeitar de que ele estava apenas tirando uma com a minha cara, mas tudo bem, eu não estava nem aí. O ambiente estava agradável, eu estava alegre e o som estava sensacional, até então eu nem tinha parado para falar com alguém. 

Aceito e o sigo até o grupo, cumprimento as meninas e começamos a dançar. Como eu não sabia qual das três era a tal garota, esperei eles puxarem cada uma para dançar. Não demorou muito e reparei que eles já haviam sumido e fiquei cara a cara com a loirinha meiga na minha frente. Dançamos um pouco e quando reparei já estávamos nos beijando. Os primeiros momentos foram desconfortáveis, ela é muito mais baixa que eu, tinha que me curvar para beijá-la, mas não importava. A cada toque dos nossos lábios eu pirava cada vez mais, comecei a ficar com calor, as mãos suavam, ela me abraçava de um jeito que eu não queria mais sair dali. Que beijo, que carinho. 

Peço que ela me acompanhe e saio da pista. Queria descobrir um pouco mas sobre aquela baixinha. Sentamos ao lado do bar e conversamos por algum tempo. Ela é divertida, inteligente, meiga e muito carinhosa. Nem por um segundo ela deixou de fazer carinho em meus braços e em meus cabelos enquanto conversávamos. Fiquei muito feliz, suas mãos macias estavam me deixando excitado. Me senti injusto quando ela me contou que era seu 26° aniversário. Não sei porque, mas senti uma necessidade de fazer algo a mais. Como assim? Era o seu dia e quem estava recebendo um carinho gostoso na nuca era eu. Mas resisti, não pedi que parasse. 

Depois de algumas horas de papo, começa o show do Skazi e vamos para a pista. Reencontro os outros casais e ficamos juntos. Naquele momento, para mim, anoite já estava perfeita. Bons amigos, boa música, bastante álcool no sangue e uma mulher interessante ao meu lado. Olho no relógio e já são 7:15 da manhã. Me vejo sozinho na balada, meus amigos me abandonaram e não sei como ir embora. Fico na porta esperando elas saírem e por sorte elas me dão carona. O combinado era que elas me deixassem em algum metrô. Afinal, elas moram em Santo André e realmente não havia motivos para eu ir até uma hora dessas. Dentro do carro os carinhos continuam e conversamos mais um pouco. A todo momento ela se recusa a me convidar para sua casa. Eu estava muito contente com a presença dela e admito que não queria ir embora. Quando notamos já estamos na esquina de sua casa. Pensei: Muito inconveniente da minha parte vir até aqui, fiquei envergonhado. 

Subimos em seu apartamento e ela me deu um remédio para dor de cabeça e fomos tomar café da manhã na padaria. Durante o café, já longe do barulho da balada e com o céu azul e o sol deixando o dia anda mais lindo chego a conclusão de que ela é uma pessoa especial. Ela me pergunta, por que? 

Simples, nos conhecemos no meio de uma balada lotada meio que por acaso e com a ajudinha de um amigo meu. Até aí tudo bem. Uma mulher bonita, rolou a química e melhor ainda, umas das bocas mais fogosas que já beijei. Como se isso não bastasse, uma mulher muito carinhosa. O mínimo que eu poderia fazer era passar o aniversário com você, não acha? Mais uma vez ela disfarça a vergonha e me afasta. Voltamos para casa e vamos chamar um táxi, hora de ir embora. Quando ela pega o telefone eu congelo, não acredito, tento evitar mas não consigo. Por obra do destino ninguém atende. Ela vai até o quarto procurar o telefone de outro taxista. Eu corro e escondo o cartão embaixo da base do telefone rezando para que eu consiga permanecer deitado no sofá recebendo seus carinhos por mais alguns instantes. Funciona. Ela volta, eu tiro o telefone de sua mão e nos jogamos no sofá mais uma vez, carinho vai carinho vem, piadas a fazem sorrir e eu fico sem jeito. Que sorriso lindo. A cada segundo eu só penso no que eu mais queria naquele momento. Dormir com ela, sua companhia mexeu comigo de uma forma inexplicável que até agora não sei explicar. 

Vou embora e durante aproximadamente 80km de trem até minha casa eu fico me perguntando, será que um dia vou beijá-la novamente? Não vejo a hora de voltar a Santo André…

Enfim, só queria te dizer baixinha que foi uma honra poder te conhecer naquela noite, te dar os parabéns, e por mais breve que tenha sido, o pouco tempo que passamos juntos foi sensacional para mim. Será um prazer imenso te ver novamente. Obrigado.

Deus me abençoou e me deu um dom.
Para essa menina linda eu vou escrever um som.
Meu coração que bate aqui é dela.
Ela continua linda, ela continua bela.
Eu perguntei se está tudo bem? Ela sorriu e disse que sim.
Tá tudo bom para ela então tá tudo bom para mim.
Chorão
Uma foto sem querer e uma reflexão de poder.
As grades impedem meu caminhar
Quero mudar de lugar
De um lado as folhas secas
Do outro uma vida cheia de surpresas
Ver para crer ou crer para ver acontecer?

Uma foto sem querer e uma reflexão de poder.

As grades impedem meu caminhar

Quero mudar de lugar

De um lado as folhas secas

Do outro uma vida cheia de surpresas

Ver para crer ou crer para ver acontecer?

Se joga porque a vida lá fora é bem melhor do que o monótono agora.

Se joga porque a vida lá fora é bem melhor do que o monótono agora.

De toca

A minha eu mesmo faço

Saco as cartas do baralho

Aí caralho. Você de toca?

Que me acha cabeça oca. 

Presta atenção sangue bom

Só curte o som aí doidão.

Vem paga de louco

Acha que sou pouco

Comigo você não aguenta o fight, é surfista de inside.

Vai marolar na areia

Sua boca já ta seca e você não consegue nem calçar as meias.


Beijo Molhado

Alguns dias se passaram e aquele sorriso não saiu da minha cabeça. Eu só tinha um nome e alguns minutos de conversa em minhas vagas lembranças em meio à bebedeira. Sabia muito bem que a chance de reencontrá-la era muito pequena, tinha trancado a faculdade. Passou o final de semana e já comecei a perder as esperanças de trocar novos olhares com aquela bela morena. No fundo eu sentia que ela também tinha sentido calafrios naquela noite fria. Eu não tinha nenhum contato e o que me restou eram apenas o sorriso e o olhar em meio a multidão de alunos que frequentam a nossa faculdade. Morena que me alucina, pira minha cabeça e instiga o tocar dos meus dedos no teclado, impossível parar, são tantos sentimentos soltos que preciso traduzi-los em palavras, ou pelo menos a tentativa de…

Foram dias e horas ansiosas até a conversa de bar da segunda-feira. Por volta das 21 horas, lá estava eu ouvindo todas as aventuras do final de semana maluco que meu amigo passou. Vou ao banheiro e na saída reparo em uma garota de costas no balcão comprando uma cerveja. Suspeito. O sobretudo amarelo me chamou atenção, mas o capuz sobre os cabelos me impediu de reconhece-la. Discretamente passo ao seu lado e ela não me vê. Volto para a mesa e continuo rindo de todas as groselhas que meus amigos falam, escuto poucas coisas com clareza, não consigo tirar os olhos daquele sobretudo, torcendo para ela se virar logo e descobrir se era a minha morena. 

Começo a tremer e acendo um cigarro, ainda atento não quero perder nem um detalhe da segunda troca de olhares de nossas vidas. Vou guardar o isqueiro e o derrubo. Péssimo hábito, sou desastrado às vezes. Abaixo para pegar o objeto e quando me levanto… Lá está ela, já em minha frente com o lindo sorriso no rosto e colocando a cerveja na mesa que eu estava. Pensei que era engano, ela não faria isso. Nervoso e meio sem jeito, cumprimento com um beijo no rosto e um amigável “como vai”? Ainda acho que não é verdade e que ela se confundiu em qual roda ia ficar quando começou a olhar para o outro lado do bar procurando alguém. Não achou. Minha lucidez volta depois do choque de tê-la visto mais uma vez em minha vida e me surpreendo com a gentileza de servir um copo para mim e brindarmos. Só me bastou o olhar durante o primeiro gole de cerveja. Tive plena certeza de que ela não estava perdida. Uma mulher bonita, simpática e gentil. 

Eu já estava tão alegre por sua presença que até deixei a cerva de lado. Mais ou menos uma hora de um prazeroso bate-papo. Não precisávamos de mais nada, só as risadas que demos já nos fizeram ganhar o dia e chegar em casa tranquilos e alegres. Era recíproco, durante todo o momento em que estivemos juntos, já sabia que ela também sentia algo e era apenas uma questão de tempo até o tão esperado beijo. 

Sem mais delongas, chega a triste ocasião da despedida. Ela devia ir embora. Me senti frio como gelo e solitário como um criminoso esperando a cadeira elétrica. Éramos em cinco pessoas na calçada do bar. Por coincidência…ou não, se despediu de todos e me deixou por último, todos perceberam e ficaram atentos. Ela se vira e sorri por uns três segundos minha frente. Sem tirar os olhos dela reparo que todos estão nos observando. Me sinto constrangido e respiro fundo. Penso rapidamente no que fazer como em um piscar de olhos e decido. Não queria parecer invasivo, falo boa noite e me dirijo a beijar seu rosto. Me entrego, ela é uma mulher de personalidade e já estava decidida do que faria e do que queria. Não consegui reagir, quando percebi, nossos lábios já estavam em total e sintonia. Um beijo curto e molhado, fiquei com muito tesão, sua boca encaixou perfeitamente como um quebra-cabeça. Nos beijamos por quase quinze segundos e eu só conseguia beijá-la. Com o copo de cerveja na mão tento abraçá-la, a mochila em suas costas me impede. Ainda beijando, comecei a me preocupar se tinha molhado suas coisas de cerveja. Evitei perguntar depois, ia parecer bobo. Era apenas um beijo de despedida e eu já estava pensando no que viria depois. 

Ela vai embora e me deixa com um sorriso no rosto para o resto da noite. Todos me parabenizam e comemoram junto comigo, admito que fiquei constrangido. Um dia sensacional, após dias imaginando se iria conseguir vê-la novamente ela ainda me beija. Chego em minha cama, coloco a cabeça no travesseiro e penso, sou o homem mais sortudo do mundo hoje. 

Volta ao Mundo

Dou a volta no mundo e vejo tudo imundo
Venha comigo e você verá
que em algum lugar
há um bom lugar para se morar,
as pessoas estão perdidas
vejo pobreza por todos os lados,
dificuldade por todos os barcos
o individual é priorizado
o ser humano está errado
e acredita mesmo que o errado é certo
porém
nada disso é concreto
a não ser que um dia iremos partir
devemos nada dividir?
A vida é abstrata
divida sua felicidade
admire a beleza
e siga com delicadeza 
nada deve ser ignorado
devemos acreditar que um dia tudo irá mudar
para melhor, o mundo virar 
e podermos acreditar 
que a humanidade ainda há pelo que lutar
como o oxigênio para respirarmos
e a natureza para contemplarmos.

Incerto ao Certo

No caminho incerto,
Escolhi o lado mais perto. 
Não sei se dará certo,
Temo que não seja o correto.
Seremos felizes agindo assim?
Não deposite nos outros a sua responsabilidade, 
você colhe sua felicidade.
Tenha lealdade, 
a quem te segue com humildade.

Individualismo Impera

Desigualdade gera maldade
O império do individualismo
A origem é o modelo de capitalismo
O jogo é assim,
se um consome.
Outro passa fome,
e parece não ter fim. 
Sim, simples assim. 
Todos querem ter,
algo para se mostrar.
Mas só podemos acabar
com força de vontade.
É assim que se joga
o proletário no ralo.
A rua é nossa luta, 
vamos em frente que a vida é curta!

Av. Faria Lima - São Paulo - SP

Av. Faria Lima - São Paulo - SP

Um lindo rosto, um lindo olhar, um lindo sorriso, um beijo gostoso e o sabor de quero mais no ar. Thomaz Ayub

Olheviela

Bêbado no bar, perdido em uma quinta-feira à noite depois da aula, me viro, te avisto e me perco em seu olhar.Tento disfarçar, mas não consigo negar. Olho para o lado procurando alguém conhecido, não queria dar bandeira de que me senti desejado. Não encontro, me viro para o outro lado ainda procurando uma fuga e você continua olhando para mim. Gostei do teu sorriso. Três metros de distância nos separam. Agora só falta chegar. Ando em sua direção e sinto o saltar dos seus batimentos cardíacos. Suas amigas riem e você toda envergonhada se torna vulnerável quando me dirijo a você. Te conquistei. Por um segundo me apavoro e sigo em frente, admito, fiquei com o gostinho de quero mais. Entro no banheiro e penso no que fazer. Nada me vem à mente. Penso em ignorar aquela troca de olhares. Novamente desisto.

Impossível não notar sua presença no local após tudo isso. Por incrível que pareça, foram 10 segundos que duraram uma eternidade em meio as minhas ações e reações sem jeito. Ainda no banheiro, sorrio e me sinto feliz e confiante. Volto para o mesmo lugar e tento fingir que nada aconteceu. Parei na mesma roda, de costas para você mesmo morrendo de vontade de passar os olhos em seus rosto mais um segundo. Me controlo.

O papo da galera já não é mais tão interessante e seu sorriso não sai da minha cabeça. Não podia chegar sozinho, você estava acompanhada. Fui em busca de uma companhia, mais uma tentativa desesperada e frustante. Não encontro ninguém interessante para me acompanhar no desafio de pelo menos descobrir o nome daquela bela morena. Dou a volta no quarteirão e chegando na faculdade lá está quem eu procurava. Alguém com quem não tenho muita intimidade e não iria me fazer passar vergonha caso eu falasse algo inconveniente. 

Volto ao muralha e finalmente pude me encantar mais alguns minutos com aquele lindo rosto. Agora de frente, vejo todos os seus gestos e consigo imaginar o assunto através dos olhares que suas amigas dirigiam a mim. Tive certeza que o assunto era eu. Aviso meu amigo de que a tal garota está atrás dele, e em um movimento rápido e precipitado ele se vira e reconhece uma delas. Fala em meu ouvido que também está afim dela. Meu coração congela, não pode ser a mesma pessoa. Quase infarto. Segundos de tensão tomam conta de mim, enquanto ele se dirige às garotas. Pensei, não posso ficar aqui parado sozinho. Acompanho ele lentamente não acreditando no que poderia vir a acontecer dali para frente.

Por sorte, ele conhecia apenas uma delas, e foi por onde ele começou os cumprimentos. Estava ali a minha deixa, não perdi mais nenhum segundo e já me apresentei a linda morena que me secava minutos antes. O bate-papo foi divertido, talvez a conversa mais produtiva da minha semana. Missão cumprida, agora eu sabia o nome da linda morena. Era só uma questão de tempo até a próxima cerveja e mais um divertido bate-papo.

Um domingo frio em SP. Fazia meses que eu não me deslocava a algum lugar para registrar o role de board. Matei a saudades dos clicks e esse aqui foi um dos que eu mais curti.

Um domingo frio em SP. Fazia meses que eu não me deslocava a algum lugar para registrar o role de board. Matei a saudades dos clicks e esse aqui foi um dos que eu mais curti.

Irmão

E aí irmão que saudade.

Sinto falta da nossa amizade.

A vida nos decepcionou, nos separou.

Aquela conversa de bar já é passado,

E a saudade se consolida a cada brinde dado.

Onde quer que esteja,

Estamos lado a lado.

Você se virou e foi seu destino buscar,

Parceria não vai faltar.

Aí parceiro,

Volta logo que o Alves já trouxe o isqueiro.

Cadê você,

Vamos aperta e parti para o rolê.

O nosso proceder só quem é da família vai entender.